terça-feira, 9 de setembro de 2014

Ele [o POETA que não aprendeu amar...]



Ele gostou.

Ele amou.

Ele apressou, mas não esperou.

Ele começou e não deixou existir.

Ele terminou o que não começou.

Tentou, tentou, tentou... E tentou de novo.

Ele não desistiu, insistiu.

Na verdade, ele desistiu, sem nem mesmo tentar.

Ele é assim.

Ele faz e pensa desse jeito.

E eu, sou o poeta que não aprendeu amar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário