segunda-feira, 7 de julho de 2014

As lágrimas do poeta



As lágrimas que eu derrubo,
não são gotas salgadas,
que escorrem pelo meu rosto e molham o papel.


São letras que formam palavras, 
palavras soltas,
talvez repetidas...
Simplesmente palavras.

Um comentário: