quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Au Revoir 2015


O ano de 2015 já foi. Já passou. Já acabou. Me lembro de quando estava escrevendo as minhas lembranças e memórias do ano de 2014, que foi um ano de muitas mudanças e transformações, pedia para que o ano de 2015, fosse como um forasteiro.

E foi assim mesmo que ele foi. Que ele veio. Um forasteiro de mim que me surpreendeu.
Foi tão rápido, mas extremamente decisivo e importante. Espero que 2016 continue assim, que eu possa me surpreender positivamente com a vida, mais a cada novo dia. Feliz 2016!

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Retrospectiva de 2015

Em 2015,
assim como nos outros anos,
escrevi sobre o que vi, vivi e senti.

Amei e desamei.
Insisti e desisti.
Comecei e terminei.
Também comecei e não terminei.
Até ensaiei,
mas não encenei.

Sorri.
Chorei.
Gritei.
Briguei.
Falhei.

Enfim, eu sofri,
mas quem não sofreu?

Sobretudo, eu tentei.
Até errei tentando acertar.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Lembranças de Natal...



O Natal já foi um dia legal para mim. Já foi um dia mais esperado. Mais aguardado. Mais ansiado.
Tudo me atraía. Suas luzes, suas cores e seus cheiros.
Hoje tudo parece por obrigação. Obrigação de fazer, de se estar junto.
Talvez seja eu que envelheceu. Que amadureceu e o ânimo perdeu.
Me lembro de ter sempre alegrias nessa data.
Quem sabe os sonhos de criança e a visão da infância possam retornar.
Quem sabe?

sábado, 19 de dezembro de 2015

Felicidade...



Felicidade é só questão de ser. Todos merecem ser felizes. Às vezes não somos porque não queremos ou porque nos deixamos ser sucumbidos pelo sistema que nos aflige. Primeiro precisamos ser livres por dentro. Para que enfim, esta alegria possa exteriorizar e aformosear nosso rosto.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

3 anos de Blog! #SerEsPaPeFiCo


Muita coisa mudou desde 17 de dezembro de 2012, quando esse blog começou. Os dias eram outros, o nome era outro, o layout era outro, eu era outro, no entanto, eram todos outros enquantos. A vida era vista com outros olhos. Com os olhos de um menino que tinha muitos sonhos. Que não vivia sua realidade. Desligava-a, para viver no lúdico.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Cantando para Deus: #Gratidão [Músicas da Kari Jobe]


Uma coisa que é bem clara para mim, é a necessidade que o ser humano tem de se voltar para sua fé, na maior parte das vezes, esse ato acontece quando as coisas não estão bem. Não é uma regra, mas pelo menos já aconteceu comigo. Isso não nós torna mais ou menos interesseiros, mas apenas constata que sem algo superior não podemos prosseguir. Deu para entender?

sábado, 12 de dezembro de 2015

O complexado

Para começar, ele já não gosta do seu nome. Do Seu pouco cabelo. Do seu corpo. Do seu peso. Dos seus dentes amarelados por excesso de antibióticos tomados quando criança. Não acha muita beleza em seu rosto. Às vezes, consegue um bom ângulo. Embora goste muito da cor dos seus olhos. Ele tem dificuldade em confiar. Gostaria de ter o poder de ler as mentes. Gosta que as coisas saiam como ele quer. Se assim não acontece, já encontra vários problemas que não existem.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Olhos...

Olhos ternos.
Olhos tortos.

Olhos altivos.
Olhos famintos.

Olhos com espinhos.
Olhos vazios.

Quantos olhares damos?
Quantos olhares recebemos?

Quantos conseguem sentir o peso de um olhar?
Quantos conseguem não se expressar através de um olhar?

Literalmente, os olhos falam muito mais do que mil palavras.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Agradecimento Especial

Amor,
Quero te fazer um agradecimento especial.
Você é um anjo
que Deus mandou para a minha vida.
Que estava devastada e vazia.
Você trouxe alegria,
Fantasias,
Desejos,
Sonhos
E realizações.
Coisas boas tem acontecido.
Estou feliz por isso
E as pessoas tem visto isso,
E se alegrando comigo.
E acredito que parte da sua missão
na minha vida,
É essa.
Te amo hoje mais do que ontem.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Muda



Já percebeu como a vida muda? Se você não muda, nada muda.
Então, muda. Mesmo que seja uma muda de roupa.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Medo

Sou um tanto quanto observador.
Vejo que os demais são intensos quando querem.
Quando eu mostro a Felícia que existe em mim, eu tenho medo.
De ser excessivo.
De ser demais.
Eu até tento esconde-la, mas isso é apenas mais uma das muitas facetas do meu medo.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Andando nas nuvens...


Hoje o peso que carrega é apenas o do seu corpo.
Sem carregar mais a carga extra que o pesava por quase trinta anos.
Parte destes anos, foi sem entendimento de causa.
Outra parcela deles de negação contínua.
Uma pequena parcela de esperança, quase foi sucumbida pela parte esmagadora,
pelo medo que o permeou ao longo dos anos.
Hoje respira, caminha e se alivia.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Recíproco hedonista


As interações amorosas entre os seres humanos são bem interessantes. De certa forma, existe um interesse. Ora mútuo, ora não.

Por exemplo, se eu demonstro uma inclinação por alguém e esse alguém não retribui, a minha atitude é de buscar até conseguir a atenção. O que pode acontecer no meio desse caminho, é de eu me cansar ou assim que alcançar o alvo, desanimar.

Neste caso, é possível constatar que se esse interesse, mesmo que for mútuo e não seguir outro rumo, encontramos aqui um hedonista.


terça-feira, 24 de novembro de 2015

A história sem começo, meio ou fim...

Tudo começou num domingo qualquer. Algumas histórias costumam começar nas segundas, mas esta quis ser diferente. E por ser diferente, foi diferente em tudo mesmo. Não me lembro bem como tudo aconteceu ou como estava o tempo, no entanto vou partilhar do pouco que vi.

Eu estava sentado na varanda de minha casa, no domingo a tarde, como de costume, amando sentir o toque do vento, quando alguém desconhecido se aproxima e começa a puxar papo. Tentando ser educado e para variar falando sobre o tempo, iniciamos ali algo que foi até o sol se pôr.

A afinidade foi tamanha, que parecia que há muito nos conhecíamos. Enfim, depois de todo esse papo, a natureza nos chama, e no pouco que me ausentei, foi como se o anjo tivesse terminado ali a sua missão, desaparecendo. Talvez, fosse apenas um anjo querendo me entreter ou conversar. Vai saber?

sábado, 21 de novembro de 2015

O príncipe e seu amigo plebeu - Parte III



O sentimento de alegria não foi passageiro. O pobre plebeu se alegrou muito com a mensagem do seu amigo. Pensando fortemente sobre o que o príncipe disse que ele devia fazer, o plebeu mergulhou fundo em seu coração e mente para tentar descobrir que lugar esta passagem estaria escondida. O mistério que permeia toda aquela situação, ainda é um enigma. "Com o seu coração e amizade verdadeira, vai descobrir.", era a mensagem que ecoava em sua mente. Mas como os segundos se passam, os minutos, as horas, os dias, as semanas, os meses, os anos...

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Síndrome de 'Baby Sauro'

Não importa a hora. É de manhã, de tarde e também de noite. O que se ouve sair das palavras digitadas por seus dedos pelas redes sociais da vida são seus lamentos.

Pergunta para um amigo: Tem um minuto?

Se este diz sim, senta que lá vem história.

Ele não precisou consultar os médicos para descobrir o que tem. Conseguiu descobrir sozinho que possui a "Síndrome de Baby Sauro".


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Encanto



Ele tem lá seu encanto.
Embora, não tenha nenhum canto,
Não entenda seu canto
E não veja tanto encanto.

Em algum canto,
de um canto qualquer,
Ele só quer ter seu próprio canto.
Para chamar de seu.
Seja que tipo de canto for...

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Ainda...


Eu ainda tenho olhado para um espelho quebrado.
Como se ele fosse refletir a verdade sobre mim.
Mas como está quebrado, a imagem aparece distorcida.
É errada. Está aos pedaços. Não é como um quebra-cabeça.
Não é possível juntar os pedaços simplesmente.
As partes quebradas, ficarão marcadas e são como cicatrizes.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Poderia ter sido...



Poderia ter sido.
Poderia ter dado certo.
Bem ao certo,
Eu não sei o que aconteceu?
Quando no dia seguinte,
Senti a repulsa e o desdém.

Quando eu não me importei,
Fui eu quem agiu assim.
Ao menos fui educado.
Mas entre um caso e outro,
A gente age como um espelho,
Que não deveria ser imitado.
Deveria ser quebrado...

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Empenho [Eu sempre quis]


Eu contei no relógio os minutos e as horas, para saber quanto tempo eu teria. Na verdade, o que eu queria, era viver uma vida inteira em um único dia. Mas bem certo estou de que seja eterno todos os momentos, enquanto durarem e enquanto fôlego restar.

domingo, 8 de novembro de 2015

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Até quando, hein?



Mais uma menina foi expulsa de casa. Dessa vez, não foi porque ela engravidou ou se meteu em algum tipo de problema, mas pelo simples fato de ser diferente. A sua coragem lhe fez ficar desabrigada. Talvez sua covardia e medo, fizessem com que ela continuasse na "segura" obscuridade. Mas ao invés disso, ela cansou de fingir ser quem não era.

Mais um menino deu fim a sua vida, porque sua família não aceitava como ele era.

Até quando Brasil?

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

[E-book] VALE: Ele / Ela - Uma outra história

Hoje, quero apresentar à vocês, meu mais novo e-book do conto: VALE: Ele / Ela - Uma outra históriaEsse é mais um conto que não vale nenhum conto. E também não tem nada a ver com o outro conto, Ele / Ela. Leia para saber.


Você pode baixá-lo, pelo seguinte link: Recanto das Letras

domingo, 1 de novembro de 2015

Esmero

Eu não desisto.
Eu não mais insisto.

Sigo o que me apraz.
Mas ainda espero pelo esmero.

Não mais imploro pelo remorso.
Tento viver pleno e intenso.

Palavras são ditas.
Muitas são benditas, outras não deviam nem ser ditas.

Mesmo assim, nessa estrada sigo.
Dizendo sim querendo dizer não.
Dizendo não querendo realmente dizer sim.

Vai entender...

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Aprendendo uma lição com o filme 'Frozen'



Você já assistiu ao desenho Frozen? Se não, provavelmente já deve ter ouvido ou cantarolado:
"Let it go, let it go...". Se não sabe do que estou falando, veja o vídeo abaixo:

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

inferno



As pessoas insistem em dizer que ele está errado.


Que seu comportamento é inapropriado
e que as suas atitudes vão levá-lo ao inferno.


Mal sabem elas, que ele já vive no inferno.


Enquanto elas vivem lindas e belas
com suas vidas medíocres,
ele precisa se esconder,
se esgueirar para não ser importunado,
para não ser rechaçado pela sociedade
que impõem padrões normativos que invalidam totalmente um único mandamento deixado.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Mão de dedos podres



Polegar - É legal. Te dá um joinha. Mas quando recebe um não, ele não é mais tão legal.

Indicador - Indica tudo. Te ilude, te faz pensar em coisas que nunca pensou. Te inclui em seus sonhos e quando você começa a compartilhar dos mesmos, ele te cutuca até você acordar do sonho em que estava.

Dedo médio - É aquele que mais se destoa. Odiado por uns, mas reconhecido por seu valor por outros. É de certa forma mal compreendido e acaba sendo muito usado para um mal comum.

Anelar - Alguns dizem que ele é anular, mas ele é primordial, pois aloja alianças. Vez ou outra essas alianças são verdadeiras, outras apenas adornos, mas ninguém pergunta para ele, se ele realmente quer algum relacionamento sério.

Mínimo - É pequenino, mas muito importante. Ao ponto de ser imprescindível. Embora seja muito usado para outros fins...

Interrompemos este post, pois houve um problema na contagem dos dedos, então essa história se perdeu em seu contexto! =/

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

O conto da carochinha

Queria ter ficado. Ter tentado. Mas seus amigos nos atrapalharam. Então preferi não atrapalhar também. No entanto, minha mente não descansa. Só se cansa de pensar: Como teria sido? Me fazendo ficar apenas arrependido. De não ter tentado nada antes. É sempre assim mesmo. Quando eu vejo e penso, já é tarde demais...


Moral da história:

"Fica a vontade de provar do improvável, que só deixa a dúvida do que seria."

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Rascunhos


Tantos rascunhos

Escritos
todos
ao punho

Alguns
digitados pelos dedos

Outros
fadigados pelo tempo

Tempo esse
que transcende

O hoje,
o ontem,
o agora

Mas que espera com ânsia
pelo amanhã

sábado, 17 de outubro de 2015

Aprendendo a ser feliz...

Nenhuma companhia deve ser mais importante do que a sua própria. Se ame. Se valorize. Corra atrás do que te faz feliz. Não espere a felicidade bater na sua porta. Não perca as oportunidades de ser feliz, de sair mesmo que seja sozinho. Às vezes é só um pouco de sol que nos falta.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Como os pássaros [Outro]



Pessoas são como pássaros.
Podemos prendê-las em gaiolas,
Mas se elas serão felizes ou se viveram bastante,
é outra história.

Assim como gostamos da liberdade
de ir e vir sem muitas satisfações,
As demais pessoas também!

Podemos deixa-las livres para voarem,
Mas o medo aprisiona.
Nos aprisiona.

Já ouvi dizer,
que quem fez do seu coração uma morada, volta.

Misturado e meio inventado,
Faço deste o meu pensamento



quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Destinada ao Erro

Você está fazendo isso errado!

Se a sua intenção é chamar a minha atenção,
Me fale claramente.

Não haja como se estivesse certo e eu errado.

Porque toda história sempre tem dois lados.

E como tendenciosos que somos,

Sempre prezamos pelo nosso lado.

Isso também não significa

que eu esteja certo e você errado.

Eu sei que falho por esperar que você haja como eu quero.

Eu sei.

Eu também estou fazendo isso errado.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Devaneios da madrugada


Indireta direta:

Sem mais paciência,
Para sua total incoerência.
Procure no dicionário,
O que significa coerência.
E talvez você entenda,
Que só pode colher os frutos,
Daqueles que cultivou.


Indireta formal:

"Sem mais paciência para a incoerência. No dicionário, está o significado de coerência. Talvez seja preciso entender que só se pode colher frutos das sementes que são plantadas."

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Nessa longa estrada da vida...



Nessa longa estrada da vida, coisas boas e ruins acontecem. Lições nos são postas a todos os momentos. O que nos resta é apenas extrair o melhor e o pior de cada momento. Para que numa segunda oportunidade, possamos optar por repetir ou deixar partir.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Linha Vermelha


Quando cruzo a linha vermelha, é inevitável não me lembrar. Não pensar em quanto tempo eu me vi gastar. Não que eu esteja reclamando, porque investindo era o que estava. Mas você não soube me amar. E não adianta reclamar, pois pode ser que era eu quem não sabia de verdade amar.

domingo, 11 de outubro de 2015

A Lista 3

Ao conseguir arrancar um sorriso de Monalisa,
eu não sabia bem o que eu queria.
Quem se importa com a idade?
De um extremo ao outro, eu vou, ou ia.
Experiência nos cabelos,
mas tão excêntrico quanto os mesmos.

Num passeio de trem, os pensamentos sempre vem.
A aventura na locomotiva em movimento,
torna tudo mais emocionante.

Depois de assistir, resolvi encenar.
Não foi uma farsa, foi uma boa meu 'parça'.
Esperei na porta, mas sem resposta.
Então, você disfarçou e me afastou.

Saindo de lá, via transporte coletivo,
absorvo no coletivo o que se exala por lá.

Uma reprise é sempre boa, mas não quando me enjoa, me levando apenas para umas voltas ao quarteirão,
só me fazendo não querer mais do mesmo.

sábado, 10 de outubro de 2015

Lágrimas



Depois de muito chorar por alguém que não te quer, depois das lágrimas terem limpando seu olhar, você começa a ver pessoas que se interessam por você. Não por dó, mas por verem algo de bom em você.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

VALE: Ele / Ela - Uma outra história [Posfácio]

Quando terminei de escrever o conto Ele / Ela, eu já estava desenvolvendo uma outra história. Ela estava seguindo a mesma linha do anterior e como essa história não tem relação com a outra, mas contém a mesma forma de detalhamento dos fatos e das personagens, decidi utilizar o mesmo titulo, mas com ênfase numa semântica.


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Por hora... [2 become 1]



Dos beijos doces que me destes,
Das promessas que me fizestes,
Todas eu guardei.
Guardei-as na caixa das lembranças de curto prazo.

Ainda luto e reputo contra todos,
Mais contra mim, do que contra ninguém.
Pois acreditei no que ouvi.

Embora eu saiba que não estás aqui,
Libero estes sentimentos
Para que sejam apenas boas lembranças livres,
De um tempo bom,
Que não vai voltar mais.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Aprendendo a perder...

Alguém gosta de perder alguma coisa? Costumo dizer que a única coisa que algumas pessoas gostam, é de perder peso. Enfim, sobre todas as coisas que aprendemos ao longo de nossa vida, a única lição que não é bem quista ou aprendida, é sobre perder. Desde crianças, somos ensinados que devemos ser sempre os melhores e que ganhar é o alvo. Sendo assim, crescemos na expectativa de que precisamos vencer, mas se algo não sai como o esperado, acabamos por ficar frustrados. Então, diante disso, tenho procurado não criar expectativas, por mais difícil que essa tarefa seja, ela é muito necessária, pois se projetamos algo em alguém, certamente seremos frustrados, pois assim como falhamos alguém vai falhar conosco.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Sobre o tempo...

O tempo é bem feitor.
O tempo não atrasa.
É você, sou eu quem se atrasa.

Às vezes, se faz bem dar um tempo.
Há coisas que clareiam.
Enquanto em outras, apenas o usamos como desculpa
para não tomarmos uma decisão.

É mais fácil correr,
Fugir,
Iludir,
Disfarçar,
Enfim, desapegar.

Com o tempo, todos mostram realmente quem são.
Assim como um fruto amadurece,
Envelhecemos, mas amadurecemos também.
Afinal, essa é beleza do tempo,
Trazer aprendizado com as lições ao longo dos anos.

Tomar uma decisão, é apenas mais uma ação diária!

domingo, 27 de setembro de 2015

24 horas


Em quase 24 horas
Fez-se mais que muitas vidas


Vinho barato
Cevada com limão
Pizza como refeição


5 vezes que parecem ainda estar acontecendo
Em minha mente, em meu corpo


Eu não sei o que vai ser
Eu só sei que valeu

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Correndo metaforicamente...


Enquanto alguns acham ser deprimente ou triste, alguém fazer algumas coisas sozinho, como por exemplo, ir ao cinema, eu prefiro correr, metaforicamente, pois sou sedentário, do que ficar parado esperando a felicidade bater na minha porta.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

#DiaDoContador de histórias... Literalmente!

Um certo dia, eu disse que nunca gostaria de trabalhar com uma determinada profissão. Num outro dia, escolhi como opção de curso, para ganhar uma bolsa na faculdade, um que eu acreditava que não tivesse nada a ver com a profissão temida. Ganhei a esperada bolsa e descobri que havia me enganado. Tanto com relação ao curso quanto a profissão. Um ano depois, de muito odiar o curso e a profissão, as coisas mudaram. Então hoje, após 10 anos de iniciar a faculdade, sou um profissional habilitado nessa tão temida profissão. Essa história de amor e ódio, me persegue até os dias atuais. Pois, ora odeio, ora amo meu trabalho. Sem mais, fico por aqui, me considerando hoje um contador de números e histórias, embora eu não seja uma calculadora, algumas pessoas insistem que eu sou bom em matemática!Aqui vai uma homenagem para a turma de 2005:

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

A Internet e as suas muitas Redes Sociais



A vida de todos mudaram com a chegada da internet e das redes sociais. Exceto a daqueles que continuaram em seu ritmo de vida cadenciado, calmo e tranquilo, em alguns cantos do interior deste planeta, onde toda essa tecnologia ainda não chegou.

Me lembro de certa forma, como tudo começou, na minha vida. Em 1998 ou 2000, não sei bem, entrei na internet pela primeira vez, no site da Aol. As buscas eram feitas pelo site Cadê?, se ouvia o som da conexão oscilando. Era tudo muito novo. Minha primeira rede social, se assim posso dizer, foi o meu primeiro e-mail na globo.com, nesse época, era gratuito. Depois entrei em salas de bate-papo, do Terra, do IG, do BOL e enfim do UOL, até os dias atuais, rs.

domingo, 20 de setembro de 2015