domingo, 7 de junho de 2015

Dear Christine


Ela procurou em sua bolsa, em suas coisas, em seu guarda-roupas e até debaixo da cama. Ela buscava como uma doida, até encontrar o que tanto precisava e procurava. As palavras que seu pai lhe dissera, ecoavam sem fim bem fundo em sua nuca. Palavras repetidas que talvez ela deva ter ouvido, mas nunca se atentado ou que nunca tiveram tanto impacto por terem sido ditas por alguém que ela esperaria apenas apoio.

Isso acontece com a maior parte das pessoas. Gostam muito de suas opiniões e decisões, mas não se ataviam sobre o impacto que elas podem ter. Sabe, ideias que você pensa que são as melhores, mas que ouvidas em voz alta, se materializam em seu pior pesadelo? Agora o que pairava sobre os seus pensamentos era: "Como eu pude fazer isso? Como eu pude chegar a esse ponto? Como eu pude ser tão destrutiva? Como?"

Infelizmente, sofremos por aquilo que sai dos nossos lábios. Literalmente, a boca fala do que o nosso coração está cheio. Algumas coisas são tão ácidas que podem corroer o mais puro sentimento. Não adianta chorar pelo leite derramado, o que basta fazer é reconhecer que o seu pensamento estava errado, que você não sabe de muita coisa, mesmo que já tenha muitos diplomas. As lições que a vida nos proporciona, são únicas e deveriam ser recebidas com maior abertura. Que esse erro possa ser reparado, que o orgulho ferido possa ser tratado e o mais puro sentimento de todos possa prevalecer hoje e sempre. Que você possa encontrar o seu coração, aonde o perdeu.

Amigo Secreto

* Este post foi inspirado na história de uma mãe que expulsou seu filho de casa por ele ser gay e sobre a carta de repúdio que seu pai a enviou, para entender melhor, clique no link.

Nenhum comentário:

Postar um comentário