quinta-feira, 4 de junho de 2015

O Paradoxo do MEIO - TERMO


Há um bom tempo, eu tenho vivido um paradoxo. Tenho o chamado de 'O Paradoxo do Meio-Termo'. Desde então, venho tentando imprimir esta ideia em pensamentos e em palavras, mas não tem sido fácil. Vou tentar exemplificar o que estou querendo dizer:

O que é um Paradoxo? O que é um MEIO-TERMO?

Um paradoxo é uma declaração aparentemente verdadeira que leva a uma contradição lógica, ou a uma situação que contradiz a intuição comum. Em termos simples, um paradoxo é "o oposto do que alguém pensa ser a verdade". Um paradoxo consiste em uma ideia incrível, contrária do que se espera. Também pode representar a ausência de nexo ou lógica.

Paradoxo vem do latim (paradoxum) e do grego (paradoxos). O prefixo “para” quer dizer contrário a, ou oposto de, e o sufixo “doxa” quer dizer opinião.

O meio-termo, é o que está entre dois extremos, é aquilo que se encontra situado (exatamente) à metade desses, por exemplo: ele está no meio-termo entre o bom e o mal aluno. Um outro exemplo, seria o fato de que é muito difícil encontrar um meio-termo para opinar sobre política, futebol ou religião.

Baseado nestes princípios:

Posso dizer que não existe um meio-termo para as coisas?
Posso afirmar que um lado é certo e o outro errado?
Acredito que não seja tão fácil assim.

A seguir, alguns exemplos de paradoxos que todos vivemos diariamente:

"Eu quero fidelidade, mas não me esforço para ser fiel. Eu quero gentileza, mas ajo com arrogância. Eu quero que as pessoas saibam as respostas para as minhas perguntas, mas não me interesso por assuntos gerais. Eu quero ser amado, mas não quero dar amor."

E essa lista se torna tão longa, que você pode me ajudar a complementá-la. Você pode ler mais sobre isso no meu post chamado "Contradições". Todo esse rodeio é só para reafirmar a ideia de que sempre fazemos aquilo que não queremos que façam conosco. E queremos que nos façam o bem que não fazemos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário