terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Cristocêntrico



Existem alguns assuntos que reluto muito em compartilhar por aqui. Hoje, o que mais existe são guerras santas e eu não quero ser o precursor de mais uma.

Leia as declarações abaixo:

"Tenho muito medo sabe… tenho visto e tenho presenciado em muitos lugares, em muitas comunidades este cristianismo sendo nivelado por baixo. Cristianismo sendo reduzido à medalhinhas. A teologia sendo substituído por devoções vazias. A devoção Mariana sendo excessivamente colocada quando Maria está sendo fora do lugar dela, tomando o lugar do Cristo.  Isto não é cristianismo. A liberdade consiste em você olhar para a santidade de Maria e de você rezar com ela para que o tempo todo Cristo prevaleça entre nós.

Porque nós não podemos mais admitir a experiência de um cristianismo sem o Cristo. 

É Cristo que nos salva, é Cristo que nos resgata, é Cristo que nos liberta e nós estamos amarrados em muitas outras coisas, classificando isto como religioso, classificando isto como bonito. Não. Nós precisamos retornar a seriedade desta palavra. São Paulo não brinca com a comunidade. São Paulo não está falando com meios termos: É Cristo que nos salva! É Cristo que nos salva! E é em torno dele que nós precisamos organizar a nossa vida, organizar a nossa comunidade, organizar a nossa experiência pessoal de ser quem somos. E fazer com que cada vez mais a nossa experiência Cristã seja antes de qualquer coisa uma mudança de mentalidade."

- Padre Fábio de Melo

E para comprovar a veracidade dessa declaração, segue o vídeo na integra:


Se essa declaração tivesse sido feita por mim ou por qualquer outro reles evangélico / cristão - protestante, soaria como uma afronta, um desrespeito, mas como foi feita pelo Padre Fábio de Melo, alguém que tenho admirado e que já ouvi algumas palavras que me edificaram, está gerando um grande alvoroço.

Tanto do lado católico, como no lado protestante existem situações como as que o padre relatou. Não estou aqui para defender ou acusar, mas para trazer, a começar por mim, a minha mente que precisamos de um evangelho que seja mais Cristocêntrico, onde Cristo seja o centro, o foco, a razão, o motivo... Cristocêntrico significa: aquele que tem Cristo como centro. Que considera Cristo como o centro da história do Universo.

E diante do paradigma que vivemos hoje, Ele [Cristo] não tem sido o centro. Me alegro por ver que em meio a tanta idolatria existente entre 'gregos e troianos', existem pessoas que conseguem destoar da massa. Eu quero ser assim. Já usei algumas vezes aqui a frase da música 'Do alto da pedra' da banda Rosa de Saron, o trecho: "Não quero minha vida igual a tudo que se vê.". E eu não quero mesmo. Talvez o que nos falte seja a coragem de denunciar a nossa zona de conforto.

Otavio Macedo, obrigado por mais esta indicação.

3 comentários:

  1. Me uno a você nesse desejo, Zhé! Que Cristo e o que Ele é ocupe o centro de nossos cultos, nossas canções, nossas pregações e nossas ações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... nossas vidas... O nosso cotidiano... que não haja mais separação entre o sagrado com o cotidiano (que popularmente é chamado de secular).

      Excluir
  2. A única maneira de não nos contaminar com este mundo assim como o exemplo que ele mesmo o foi vivendo aqui na terra entre pecadores com natureza humana mas resistiu ao pecado. Quando nos espelhamos em Jesus nos tornamos semelhantes a ele.

    ResponderExcluir