quinta-feira, 1 de outubro de 2015

VALE: Ele / Ela - Uma outra história [O casamento] - Parte V


"E agora eu ando correndo tanto | Procurando aquele novo lugar
Aquela festa, o que me resta | Encontrar alguém legal pra ficar..."

A Cruz E A Espada - Paulo Ricardo e Renato Russo

"Chegou o inesperado e fatídico dia. Até os últimos minutos ela não sabia se iria. De última hora, decidiu ir. Pegou sua roupa mais discreta e foi.

Chegando lá, encontrou Ethóri, todo reluzente, com um sorriso em seu rosto e certo ar de surpresa / constrangimento, para recebê-la.

Trocaram apenas palavras cordiais, e ela seguiu a cerimônia e a festa toda pensando que aquilo que acontecia, o casamento, naquele momento, era apenas mais um papel que ele encenava no grande teatro que era a vida dele.

Embora ela quisesse despejar toda sua raiva sobre a hipocrisia dele, sua consciência não a deixava fazer isso, pois a lembrava constantemente de quem ela era.

E ela era como ele.

Quando ela ouviu o sim dos noivos, foi um sinal de que havia enfim acabado aquela breve história. Que nada mais era, do que só mais uma aventura para ele, mas para ela talvez a sua primeira história de amor e decepção juntos.

Com o passar dos dias, Naquédi foi percebendo que acabou se tornando aquilo que ela mais desprezava, ele. Não em sua totalidade, mas em parte.

Devastada por ter perdido o que ela pensava ser o amor da sua vida, resolveu experimentar do que ele tanto se gabava de fazer. Decidiu gozar a vida, sair com pessoas sem compromisso. Afinal, ele a ensinou ser assim.

Ela começou a sentir prazer naquilo. Aderiu o gosto pela novidade e pela diversidade. Os homens para ela eram como pratos de um restaurante qualquer. Alguns mais requintados, com os quais ela de certa forma vislumbrava algo mais, mas esses pensamentos precisavam ser logo dissipados, pois esse grande fluxo, fez com que ela perdesse o interesse rápido, após alcançar seu ápice.

Ela não ganhou dinheiro com isso, mas prostituiu o seu corpo.

Numa tarde sem sol, ela recebeu uma ligação. Era Éthori, ela ficou surpresa, pois o identificador de seu celular mostrava seu nome e foto, esse era um sinal de que ela não havia o esquecido ou o apagado de sua agenda.

Quando ela atendeu, ainda surpresa, ele disse que sentia saudades de sua amizade e companhia, e a convidou para um café em sua casa.

Ela que por mais devassa ou perversa que havia se tornado, estava crente que ele havia parado com a aquela vida dupla, tripla, quadrupla... e pensou que sua esposa estivesse em casa, mas uma surpresa maior ainda a esperava."

Nenhum comentário:

Postar um comentário