quinta-feira, 8 de outubro de 2015

VALE: Ele / Ela - Uma outra história [A decisão] - Parte Final



"E agora é tarde, acordo tarde | Do meu lado alguém que eu nem conhecia
Outra criança adulterada | Pelos anos que a pintura escondia..."

A Cruz E A Espada - Paulo Ricardo e Renato Russo

"Ele estava sozinho. Era o que ela temia. Mas como o convite era para tomar um café, ela assim permaneceu até que ele se despiu diante de seus olhos e foi para o banho.

De portas abertas, eles continuaram conversando. A sensação que ela tinha, era a mesma da primeira vez. Uma palpitação acelerava e cadenciava seu coração. Seu corpo dizia: "Vamos lá!", mas sua mente lhe dizia: "NÃO!"

Por mais que tivessem se aventurado muito por aí, num passado não tão distante assim, eles nunca conseguiram consumar o caso deles.

Ele era muito ansioso e antes mesmo que a satisfação fosse mutua, ele já tinha chegado aonde queria.

Isso traumatizou Naquédi, pois ela demorou para querer estar com outro homem. Além do sentimento, chegou a pensar se era disso que ela gostava.

Como ela estava nessa nova fase de sua vida, decidiu que aquele seria o momento propicio para finalizar aquela novela que havia se tornado a relação estranha que teceram.

Ela não queria vingança. Ela aprendeu a arte de aproveitar intensamente os momentos. Enfim, aconteceu. Conseguiram consumar o que pelo menos ela, tanto esperava. Ela queria muito que ele tivesse sido seu primeiro homem, mas ele não via as coisas desse jeito.

Assim que terminaram, ela vestiu suas roupas e sem muito papo, saiu. No caminho para sua casa, um sorriso permeava seu rosto. Não era maldade. Era o alcance de uma satisfação pessoal. Disse para si mesma, que aquilo não aconteceria mais, pois assim como ela odiaria ser traída, tentou se colocar no lugar da esposa dele. Talvez fosse tarde demais para isso.

Os dias se passaram e ele continuava insistentemente atrás dela. Assim como uma busca sem resultado, o cansaço fez com que ele parasse.

Essa insistência dele, fez com que ela reavaliasse sua trajetória até ali. Da mesma maneira como ele se cansou de correr atrás dela, ela também se cansou da vida que estava levando.

Em uma manhã de céu cinza e sem muito sol, ela abriu os olhos e viu sua imagem no espelho. Se perguntava quem era aquela menina que estava diante de seus olhos. Queria muito saber aonde havia se perdido. E por que lastimas estava assim.

Seria muito fácil ela simplesmente culpar ele. Mas ela não foi enganada ou lesada. Ela sabia onde estava se metendo. Talvez ela só se permitiu se sentir livre, assim como ele parecia.

Ao invés dessa louca liberdade, que ele levou ela a experimentar, ele preferiu habitar dentro de uma gaiola sem travas. Suas asas não foram cortadas ou aparadas, então ele voava quando sentia vontade. Mais do mesmo. Quem disse que o casamento ou um compromisso muda alguma coisa? Para ele era assim. Simples assim. Não via isso como traição, por que da parte dele, ele dizia que não havia sentimentos.

Quem sou eu para dizer que ele estava errado? Eu não tenho nada com isso, não sei por que raios eu continuo-me intrometendo.

Ela, porém, não quis se enquadrar nesse perfil. Ela se tornou muito extremista. Era cadeia ou liberdade total.

Ela até que tentou ser como ele, mas percebeu o que talvez ele não percebeu ainda. Existe um vazio dentro de cada um. E cada um preenche como acha que deve.

Ela pensou em algumas coisas que poderia fazer. Ficou pensando que acabar com sua vida, não faria sentido. Acabar com o casamento dele, também não faria sentido nenhum. Foi quando ela decidiu continuar sua busca até encontrar a felicidade."

Nenhum comentário:

Postar um comentário