sexta-feira, 9 de outubro de 2015

VALE: Ele / Ela - Uma outra história [Posfácio]

Quando terminei de escrever o conto Ele / Ela, eu já estava desenvolvendo uma outra história. Ela estava seguindo a mesma linha do anterior e como essa história não tem relação com a outra, mas contém a mesma forma de detalhamento dos fatos e das personagens, decidi utilizar o mesmo titulo, mas com ênfase numa semântica.


O que é vale?

Vale é um espaço, um buraco, um abismo. Uma ruptura. Uma barreira. Um atraso.

Quantos vales são abertos diariamente?
Quantas relações são destruídas?

O que vale?

Vale é um passe. Algo precificado, de valor. Algo que demonstra que você conquistou algo.

Quantas coisas valem realmente a pena?
Quantas coisas já vivemos, mas que não valorizamos?

Em nossa vida tudo tem que valer a pena, ou melhor, precisamos extrair valor de tudo. Para enfim dizer: Esse vale [abismo, dificuldade...], valeu!

O caro leitor pode estar se perguntando se este conto é baseado em fatos reais ou se é apenas mais um fruto de ficção, mas assim como William P. Young, autor de A Cabana, disse em seu 'posfácio', eu acredito nessa história. Apenas reportei o que ouvi de Naquédi. Mas esse é apenas a visão de um dos lados. Assim como as moedas, todas as histórias têm dois lados. Um dia, espero ter a oportunidade de me sentar com o Éthori, para perguntar a visão dele dos mesmos fatos. Por que você sabe como são as mulheres, né? rs [Brincadeira meninas!]

Para finalizar, o que entendi foi que tanto para Naquédi quanto para Éthori, valeu. Valeu para ambos o que viveram e o que escolheram viver. O que talvez não tenha valido a pena, tenha sido o vale, o espaço que existe entre os dois hoje, pois como todas as escolhas trazem consequências.

"Então, tem que viver, valer, viver... Tem que viver pra valer..."


Nenhum comentário:

Postar um comentário